Empoderamento e aceitação: entenda a importância de mulheres gordas na mídia

Preta Gil encoraja suas seguidoras a se libertarem ao postar fotos de biquíni no Instagram. Fluvia Lacerda é modelo plus size de sucesso, apaixonada por carboidratos e lançou a biografia-manifesto “Gorda Não é Palavrão”. A atriz Mariana Xavier não tem neuroses para exibir sua real beleza, sem retoques. A presença de mulheres gordas e empoderadas na mídia tem papel fundamental para a representatividade e melhor aceitação do corpo pelas mulheres. “Sem sombra de dúvidas, hoje a gente tem muitos perfis de Instagram, muita gente trabalhando com relação a essa questão da forma, do tamanho e do peso, mesmo as modelos plus size”, diz a psicóloga clínica Vanessa Tomasini. “Essas pessoas estão muito mais na mídia, falando sobre o quanto não existe esse corpo perfeito, que todos os corpos têm a sua beleza, de que o corpo não é só um resultado da sua alimentação e sua atividade física”, continua ela, que é idealizadora do projeto #VcTemFomedeQue?.

Leia a matéria completa.

Psicóloga dá dicas para o empoderamento: ‘detox ao seu redor’

Na academia, corpos magros e sarados. Na internet, contas fitness de Instagram. Nas revistas, as novas dietas da moda. Como se proteger dos distúrbios alimentares – que levam a alimentação a extremos – com tantos estímulos para a perda de peso e pressão para conquistar uma forma física tida como ideal? “Eu brinco que você precisa fazer um detox ao seu redor. Hoje em dia a gente usa muito as redes sociais, como o Facebook, o Instagram, e, às vezes, você segue 1000 perfis de musas fitness, dessas pessoas com esses corpos dentro desses padrões estéticos estabelecidos. E, cada vez que você abre ali o seu feed, você é bombardeado disso o tempo inteiro, então chega uma hora em que você começa a olhar para o seu feed e vê ‘caramba, todo mundo tem esse corpo menos eu'”, diz a psicóloga clínica Vanessa Tomasini ao Purepeople.

Leia a matéria completa.

Distúrbio alimentar: psicóloga explica transtorno que leva a comida aos extremos

Abrir mão da comida. Comer demais. Sentir culpa após uma refeição. O desequilíbrio na alimentação, sofrido por Daiana Garbin, mulher de Tiago Leifert, e por Mariana Goldfarb no início do antigo namoro com Cauã Reymond tem nome. “O distúrbio alimentar, também chamado de transtorno alimentar, é caracterizado por extremos. Ele está presente quando uma pessoa experimenta distúrbios graves em relação ao seu comportamento alimentar – isso pode ser pela redução extrema da ingestão de alimentos ou pela ingestão extrema de alimentos. A pessoa também experimenta sentimentos extremos de angústia, preocupação com o corpo, o peso, o tamanho e a forma”, explica a psicóloga clínica Vanessa Tomasini ao Purepeople.

Leia a matéria completa.