Comer Típico, Comer Transtornado e Transtorno Alimentar

Hoje em dia esses três termos se confundem muito, então vamos esclarecê-los. É importante lembrar também que o importante não é o rótulo da maneira que você come, mas sim o fato de você ter uma boa relação consigo, com a comida, e autonomia das próprias escolhas.

Comer Típico
O fato do comer típico precisar de uma terminologia e uma descrição já é sinal de muita coisa. Ele é o simplesmente comer. É o simplesmente comer. Mas o que é isso? É aquela pessoa que ao sentir fome come, ao estar satisfeita para. Que quando vai ao restaurante abre o cardápio e pensa, “O que eu gostaria de comer?”. Sem pensar se esse algo é o não saudável. Mas é alguém que ouve suas vontades e seu corpo. Isso não quer dizer que é alguém que só come besteira, pois se a maioria ou tudo que você quer comer é besteira, você não está ouvindo seu corpo. Com certeza ele pede alimentos saudáveis e frescos com frequência. Quem está bem no comer típico faz escolhas boas, mas não racionaliza o comer o tempo todo e tem confiança no próprio corpo.

Comer Transtornado
O cenário típico é a pessoa que não sabe se alimentar sem um plano ou uma dieta. Que se não estiver seguindo um preceito, uma linha ou um cardápio de uma nutricionista não sabe se está comendo bem, mal ou que escolha fazer. É alguém que perdeu a confiança nos sinais do próprio corpo. Não é uma doença. Pode ser uma fase em que a pessoa está reaprendendo a ouvir o próprio corpo e ter a autonomia, e isso não apresenta nenhum problema. Se a pessoa não está com uma boa relação com a comida seguir uma prescrição (quando bem feita) pode sim ser um caminho para a autonomia do comer típico. Por outro lado, se este cenário fica muito intenso pode sim evoluir para um transtorno. Porém, cada caso é um caso.

Transtorno Alimentar
Já o transtorno alimentar é uma doença psiquiátrica. Ou seja, seu diagnóstico é feito por um profissional de saúde mental que sabe os parâmetros necessários. Precisa de tratamento e em casos graves apresenta risco para a vida da pessoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *